Logotipo Abrap

Associação Brasileira de Prefeituras

Notícias na Abrap

Parecer sobre denúncia contra Temer deve ser lido em 1º de agosto

Parecer sobre denúncia contra Temer deve ser lido em 1º de agosto

Relatório sobre denuncia contra o presidente Michel Temer deve ser lido apenas em 1º de agosto (Cristiano Mariz/VEJA)

Leitura no plenário é etapa necessária para ocorrer votação, marcada para o dia 2

Por Da redação

Sem conseguir votar a denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) antes do recesso parlamentar, o governo colocou o pé no freio e não mobilizou os deputados para que o parecer aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) seja lido no plenário nesta segunda-feira.

Para que haja sessão, é necessário que 51 deputados marquem presença. Na última sexta-feira, a leitura do relatório foi adiada porque apenas 24 parlamentares estavam na Casa.

Segundo o líder do PMDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), o novo cronograma do governo prevê a leitura no dia 1º de agosto, a primeira sessão após a volta do recesso.

 

A leitura é uma das etapas necessárias para ocorrer a votação no plenário, marcada para o dia 2. Somente depois de ser lido, o parecer poderá ser publicado no Diário Oficial da Câmara e o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), será notificado para que possa incluir a denúncia na pauta de votação.

O governo queria ter realizado a votação antes do recesso parlamentar, mas concordou em adiar a votação ao se dar conta que, sem a ajuda da oposição, não conseguiria colocar 342 deputados no plenário para dar início à sessão.

O número foi uma exigência de Maia, sob a alegação de que o resultado poderia ser contestado no Supremo Tribunal Federal (STF) se ocorresse com um quórum menor. Para que a denúncia tenha seguimento, é preciso o apoio de 342 deputados.

Após o revés, líderes governistas passaram a insinuar que poderiam simplesmente “engavetar” a denúncia, isto é, não votá-la, pois assim Temer continuaria na Presidência.

Segundo deputados da base, o interesse em votar a denúncia e afastar Temer do Palácio do Planalto era da oposição e, portanto, eles que deveriam colocar os 342 parlamentares no plenário da Câmara.

Uma das vantagens de não votar a denúncia em agosto, apontam os governistas, seria aguardar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar a nova denúncia contra Temer e poder votá-las em conjunto em uma mesma sessão.