Logotipo Abrap

Associação Brasileira de Prefeituras

Notícias na Abrap

Cármen Lúcia diz que priorizará ação sobre suspensão de mandatos parlamentares

Cármen Lúcia diz que priorizará ação sobre suspensão de mandatos parlamentares

A presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia (Foto: Renato Costa/FramePhoto/Estadão Conteúdo)

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou nesta quinta-feira (28) que dará 'prioridade' e espera julgar 'em breve' uma ação em andamento na Corte que discute o procedimento a ser adotado nos casos de afastamento de parlamentares do mandato.

A ação foi apresentada em maio do ano passado por PP, PSC e Solidariedade para que decisões judiciais que suspendam o mandato de parlamentares sejam submetidas em até 24 horas ao Congresso, a quem caberá confirmar a decisão ou rejeitar.

Trata-se do mesmo rito definido para prisões de parlamentares, só possível em caso de flagrantes de crimes inafiançáveis.

'Se Deus quiser, será breve, brevíssimo', disse Cármen Lúcia nesta quinta. A definição da data do julgamento, no entanto, depende de o ministro Edson Fachin, relator do processo, liberar o caso para julgamento.

'Seria muito bom ser julgada essa ação prontamente', acrescentou a presidente do Supremo.

 

O senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

O senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

 

Suspensão de Aécio

 

A questão foi novamente trazida à tona com a decisão do STF da última terça de suspender o mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Na terça, a Primeira Turma da Corte decidiu afastar o tucano do mandato, mas o Senado decidiu votar na próxima terça (3) se reverte a decisão da Corte.

A questão divide ministros do Supremo. Para alguns, como Marco Aurélio e Gilmar Mendes, o Legislativo pode rever o afastamento, assim como o faz em caso de prisão.

Mais cedo, nesta quinta, questionado sobre o assunto, Marco Aurélio disse que esse é o 'momento' de julgar a ação.

'Se pudermos enfrentar a ADI, será muito bom. Agora, de qualquer forma, há um sistema de freios e contrapesos. Não pode ser acolhida a concentração de poder', afirmou.

Mas, para outros, como Luís Roberto Barroso e Luiz Fux, o aval do Legislativo só é necessário em caso de prisão, não a medidas alternativas.

Fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/carmen-lucia-diz-que-d...