Logotipo Abrap

Associação Brasileira de Prefeituras

Notícias na Abrap

Entenda por que a atual remuneração do saldo do FGTS precisa ser mantida

Entenda por que a atual remuneração do saldo do FGTS precisa ser mantida

Foto: Camila Domingues/ Palácio Piratini

Todos os meses os empregadores têm a obrigação de depositar o equivalente a 8% do salário de cada funcionário registrado. Esse valor fica em uma conta, na Caixa, em nome do trabalhador. O saldo, no entanto, não fica “parado” – ele rende 3% ao ano mais a Taxa Referencial (TR).

Elevar essa remuneração, apesar de parecer interessante para o trabalhador, é complexa para a economia e pode gerar desequilíbrios para o País. Se elevar o valor da TR, vai tornar mais caro uma série de financiamentos importantes.

A TR é o principal indexador de contratos com prazo acima de 90 dias, ou seja, praticamente todos os financiamentos pagam essa taxa, desde o habitacional às operações que custeiam obras importantes de infraestrutura e investimentos com o objetivo de gerar emprego e renda.

Já a opção de elevar a remuneração do saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a parte que é fixa em 3% ao ano, também poderia gerar desequilíbrios. O saldo do FGTS é uma fonte importante para financiamentos, a exemplo do habitacional, de obras de infraestrutura e de outras operações voltadas ao setor produtivo.

Na prática, elevar a remuneração do saldo do FGTS pode significar travar uma série de investimentos produtivos, elevar o custo da casa própria e de outras operações que são importantes para o desenvolvimento do País.

Fonte: Portal Brasil